terça-feira, 29 de agosto de 2017

Óbidos - um regresso à Idade Média



Bem pertinho de Lisboa, distante aproximadamente 80km, Óbidos é um destino excelente para um passeio.

A pequena cidade medieval, cercada por uma muralha, é cheia de Igrejas e casinhas com flores na janela, deixando o visual ainda mais especial.


As estreitas ruas não permitem que carros transitem pelo local, existindo vários estacionamentos à volta da cidade. Como sugestão, parem no estacionamento mais próximo ao centro de informações, e comecem o trajeto do passeio por ali, passando pela principal porta de acesso à Vila, a Porta da Vila construída por volta de 1380.


É do próprio estacionamento que se avista o Aqueduto, importante construção e que se iniciava de um ponto bem próximo à Porta da Vila.



(parte interna da Porta da Vila)

Passando pela Porta, já se chega à Rua Direita, que centraliza quase todo o comércio da cidade, com galeria de arte contemporânea e museu com coleção de arte sacra. Dá para agradar a todos os gostos.


E não poderia ser diferente: é também na rua Direita a concentração de venda de Ginja – a Ginjinha de Óbidos, servida em copinho de chocolate com uma cereja – custa 1.


Na Praça de Santa Maria fica a Igreja de Santa Maria, Igreja Matriz da Cidade, e que foi erigida no século XII. O piso ainda é original, tendo sido feitas melhorias ao longo do tempo, como o revestimento de azulejos, e as pinturas do teto (século XVI). Embora tenha sofrido abalos com o terremoto de 1755, não sofreu grandes prejuízos, de modo que a construção se mantém como desde o início da construção. Há notícias de que a Igreja de Santa Maria foi uma mesquita.


Seguindo ao final da Rua Direita, depara-se com a Igreja de Santiago. A antiga Igreja foi transformada em livraria, o que, no meu modo de pensar, prejudicou a arquitetura. Eu adoro Igrejas, e o local ficou bagunçado... poderiam manter a originalidade da Igreja e colocar espaços específicos  para livros.



Bem ao lado da Igreja/livraria está a entrada para o Castelo de Óbidos. Os visitantes percorrem o local do paço real, mas não é possível entrar no Castelo. Neste paço ocorre o Mercado Medieval de Óbidos, que acredito ser espetacular (motivo para voltar).



Parte do Castelo foi transformada em pousada, desde 1950, e abriga também um restaurante (mais fino e mais caro). Mesmo que não frequente o restaurante, é possível subir até um mirante bem próximo de sua entrada, permitindo ver a cidade toda (sem subir nas muralhas).


(esta vista foi do alto da muralha)

Já retornando para a entrada principal, siga pela Rua Nova (Rua do Coronel Pacheco) e chegue até a Porta de Nossa Senhora da Graça (Porta do Vale – século XII). É mais uma das portas que permite a entrada para a Vila de Óbidos.


Mais à frente fica o Largo de São Pedro. Neste estão a Capela de São Martinho e a Igreja de São Pedro. A Capela me chamou a atenção por ser tumular, possuindo dois túmulos na área exterior, próxima à construção. Não é permitido entrar, mas é tão pequena que da sua porta vê-se por completo. Não há pinturas ou imagens.


A Igreja de São Pedro, por sua vez, muito imponente, foi totalmente reconstruída após o terremoto de 1755. Infelizmente encontrava-se fechada quando da minha visita.


Com este trajeto é possível percorrer completamente a cidade, passeando por pequenas ruas, subindo as muralhas (para os corajosos) e apreciando a Ginjinha de Óbidos.


Saindo das muralhas da Vila siga até o Santuário do Senhor Jesus da Pedra. Ele está em reforma, e não foi possível visitar seu interior, mas possui Jesus Cristo entalhado em pedra, sendo a Igreja uma das principais construções barrocas em Portugal.


Em 2015 a UNESCO atribuiu a Óbidos o título de Cidade da Literatura. Durante todo o ano há diversos eventos culturais que deixam a cidade ainda mais rica. Para saber mais, visite o site oficial.

E Você, já conhece Óbidos? Conte para nós sua experiência.

Serviço:
Restaurante Lagar da Mouraria - o prato mais caro era bacalhau, servido por 12,50. O Paulo, proprietário, é quem recebe e atende aos pedidos, com sorriso no rosto e bom humor.

domingo, 25 de junho de 2017

Baden-Baden - Floresta Negra e Águas Termais


Baden-Württemberg é uma das regiões mais famosas da Alemanha. 

Nela fica a Floresta Negra, e a rota romântica, levando casais apaixonados a visitar castelos e desfrutar de inúmeras paisagens maravilhosas.



Das várias lindas cidades, escolhemos Baden-Baden. A cidade é famosa por suas águas termais, mas também possui cassino, parque, deliciosos restaurantes, e muita história.


A região de  Baden-Baden foi habitada desde 80 d.C, por povos celtas, mas nos primeiros anos da era moderna, os romanos conheciam sua fama, justamente por causa das águas com propriedades terapêuticas - Marco Aurélio, Imperador Romano, era um dos mais assíduos frequentadores.

Não apenas de glória viveu Baden-Baden, sendo quase que totalmente destruída na Guerra da Sucessão, transformando-se, posteriormente, em um dos mais disputados destinos da Europa.


Há de se compreender! A pequena vila possui praças e jardins deixando o clima mais romântico e aprazível. Com tantos turistas, especialmente aristocratas, a cidade investiu em cultura e lazer.

O lindo e grandioso teatro foi construído em 1862, e possui sua própria companhia teatral.



Outra grande obra é o cassino, que permite a visita em algumas áreas, mas para participar da jogatina, apenas com traje passeio completo (até os dias atuais).



Bem em frente à praça do Teatro se inicia um passeio com um trenzinho, que percorre toda a cidade. Passeio gostoso, e que permite um breve descanso.



Andando pela cidade logo se deparará com um Parque que possui 3km (três quilômetros) e é considerado um dos mais lindos dentro das cidades. Ele foi planejado em 1665 e possui aproximadamente 300 (trezentas) árvores, aliando cultura, natureza e prazer.  No final do parque fica o clube de tênis mais antigo da Alemanha.



O Rio Oss nasce na Floresta Negra e passa pelo parque; nota-se que muito da cidade gira em torno deste enorme jardim.



Como já dito desde o início, as águas termais fizeram vários personagens se dirigirem à Baden-Baden, e pagar por este "luxo" é possível!

Originalmente tinham-se as ruínas de banhos romanos, com fontes de mais de 2000 anos. Hoje há duas Thermas: Friedrichsbad e as Thermes de Caracalla.


As Thermes de Caracalla foram inauguradas em 1985. A entrada custa 15, mas como não levamos toalha, precisamos pagar também por ela: pagamos 16 pela toalha, e com a devolução desta, há o reembolso de 10.


Há sauna, solarium, e as piscinas de águas termais. Para frequentar a sauna é imprescindível que esteja nu; nas piscinas, utilizam roupa de banho (biquini, maiô, sunga e short). Cada uma das piscinas possui uma temperatura diferente, com o tempo indicado para nela permanecer. A que mais gostei possuía temperatura de 38ºC, enquanto outras tinham 34ºC e 18ºC.

Um último passeio imperdível é subir o Furnicular (4) e ter uma vista sensacional de toda a cidade, e até da França. Amplo espaço para atividades ao ar livre, e um restaurante/café permitem aproveitar o tempo nas alturas. Para voltar, há duas linhas de ônibus, com o preço do ticket individual por 3,40. 




Não deixe de aproveitar o famoso bolo Floresta Negra, tradicional na região. Como sugestão, o Café König, bem no centro, e super charmoso. A fatia do bolo custou 3,80.



Se quiser uma lembrança muito especial, escolha seu relógio Cuco, afinal, Baden-Baden é a cidade criadora deste ícone.

Sugestão de hospedagem:
> Hotel Haus Reichert - super bem localizado, ótimo atendimento e preço justo.

Sugestão de restaurante: Löwenbräu - ótimo para aproveitar a culinária alemã.
Junto a este restaurante também há um hotel, mas não o conhecemos.
  

domingo, 4 de junho de 2017

Castelo de Vianden - para amar ainda mais Luxemburgo!


Meros 36 (trinta e seis) quilômetros de distância. Esse é o trajeto a ser percorrido a partir de Luxemburgo até chegar a Vianden.

A pequena e linda cidade confirma a beleza de todo o país. 


O imponente Castelo ao alto do morro encanta e nos transporta para os séculos XI e XIV, período de construção deste.


Inicialmente o Castelo era propriedade particular, pertencendo ao Conde de Vianden. A "época de ouro" do Castelo se deu entre 1220 e 1250, com o Conde Henry I de Vianden, conhecido como "The Sun Count".

Posteriormente, o Castelo possuiu outros proprietários, vindo a decair no reinado do rei Guilherme II da Holanda (1820), pois foi vendido peça por peça, ficando apenas os seus escombros.

Em 1977, o Castelo de Vianden foi comprado pelo Grão-Duque de Luxemburgo, transferindo a propriedade para o Estado, momento em que se reiniciou a restauração.


Das várias histórias que o Castelo possui, uma das que mais chamou minha atenção se refere à religião e castas sociais.. A Capela é muito diferente, e possui 2 andares. No andar superior ficavam os religiosos, Condes, e outras pessoas da alta sociedade, enquanto no inferior, os serviçais - apenas ouviam o rito religioso, mas não podiam ver o que ocorria.



Há também um poço, datado de 1200, com 54 (cinquenta e quatro) metros de profundidade, sendo o único ponto de água do Castelo. Imagino a dificuldade de transportar água para a higiene pessoal.

Personagem importante do Castelo foi "Vic" Abens, levando a grande sala para reuniões o seu nome. Victor Abens nasceu em Vianden e iniciou um movimento de resistência na Segunda Guerra Mundial, vindo a ser preso em várias cidades. 

O Castelo possui uma cave, que mantém, todo o ano, a temperatura entre 10 e 12 graus.


Junto ao Castelo  fica a Rede Nacional de Trilhas Pedestres, perfeito para trilhas, descobrindo a natureza e mais da história local (são 24 kms...). O sentido que se inicia nas proximidades do Castelo se chama "Victor Hugo", por ter o famoso escritor morado lá por cerca de três meses em 1871

Atualmente se encontra sob análise da UNESCO o pedido de reconhecimento de Vianden, e o Castelo, como patrimônio histórico, arquitetônico e religioso.



Serviço:

Ingresso: 

  • Adultos 6 
  • Crianças 2 
  • Idosos 5 
  • Estudantes 4,5 
Audioguia: 2 

O Castelo abre sempre às 10:00h, mas o fechamento depende da época do ano (entre 16:00h e 18:00h).

Site: www.castle-vianden.lu

Já conhece? Conte para nós sua experiência!


sexta-feira, 14 de abril de 2017

Sabores para POCAR!!!


Entre os dias 07 e 09 de abril aconteceu o 2º Pocando no ES, encontro de blogueiros de viagens, para descobrirmos mais o Espírito Santo.

O destino? As praias do litoral sul, englobando especialmente os municípios de Marataízes, Anchieta e Guarapari.

Além do visual maravilhoso, degustamos os sabores que o litoral nos oferecem e posso dizer que foram inesquecíveis.

A primeira dica é o Restaurante do Gilson. O Chefe Gilson Surrage é o responsável pela cozinha movida a frutos do mar há 23 anos, e nos serviu, no Hotel Espadarte, paella e bobó de camarão, que fez todos os participantes repetirem (mais de uma vez) o prato.


Também fomos muito bem servidos no Restaurante Recanto da Pedra. Além da vista maravilhosa, o Chefe André Cicilioti fez os participantes descobrirem a torta capixaba. Delicadamente deitada em folha de bananeira, a tradicional torta marcou os corações dos blogueiros.


Importante dizer que a Torta Capixaba, em regra, é servida nos restaurantes do Espírito Santo apenas na Semana Santa, momento em que os Cristãos não comem carne vermelha. Há duas tradicionais receitas: a primeira é também chamada de "completa", pois leva bacalhau, palmito, sururu, caranguejo, siri; já a segunda, apenas bacalhau e palmito. A completa é originária da Ilha das Caieiras (já contamos aqui!) em razão da proximidade do mar e das maravilhosas desfiadeiras de siri. Já a de bacalhau com palmito tem mais presença no interior do Estado.


Para finalizar este tour gastronômico, o Restaurante Gaeta nos "brindou" com a moqueca capixaba. O prato mais emblemático do Estado é deliciosamente acompanhado de arroz, pirão e moqueca de banana (amo!!!). O auge foi ser recebida pelo Senhor Nhozinho, moquequeiro, e responsável pelo tradicional restaurante. Quer a receita? A Viajante Comum te dá! O blog Viagem Massa também conta a experiência.


Em todo litoral do Estado os frutos do mar são fortemente presentes na culinária, em especial, a moqueca e o bobó de camarão.


Visite o Espírito Santo e conheça estes sabores!

O blog O Melhor Mês do Ano também tem dicas de onde comer, para ficar babando!

- As refeições mencionadas foram servidas gratuitamente a todos os participantes do Encontro Pocando no ES.  

BLOGS PARTICIPANTES DE FORA DO ES:

  • Bagagem de Memórias
  • Viajadas
  • Eu vou de mochila
  • Tô Pensando em Viajar
  • Viajante Comum
  • Viagens Cinematográficas
  • Mochilão Barato
  • Mineiros na Estrada
  • Catálogo de Viagens
  • O Melhor mês do ano


BLOGS CAPIXABAS:
  • Um Olhar Novo
  • Caixa de Viagens
  • Terra Capixaba
  • Guia e Turismo (guia)
  • Casal Viagem
  • Viagem Massa
  • Pelo Mundo com Manu 
  • Destinões
  • Tudo é Mara
  • Aline Approves
  • Caminha Gente
  • Guia Capixaba
  • A vida é como um livro


terça-feira, 7 de março de 2017

Pastel de Natas, ora pois! 4 lugares imperdíveis!


Viajar a Portugal é se inserir em um mundo de sabores! A culinária portuguesa é rica, e super saborosa.

Um dos mais famosos doces, e delicioso, é o Pastel de Natas. Símbolo do país, a casquinha fina de massa folhada, super recheada com o creme, deixa a boca salivando!

Em qualquer lugar que visitar - bar, restaurante, padaria - a iguaria estará disponível.

Para ajudar, selecionamos 4 (quatro) lugares para que desfrute o Pastel de Natas!

1. A Padaria Portuguesa - a rede de padaria/cafeteria está presente em toda Lisboa. Possui ambiente aconchegante, e um delicioso Pastel de Natas. Aproveite para se sentar e apreciar outros sabores que o local oferece.


2. Chiado Caffé - no Chiado, como o nome diz, a cafeteria tem pastel de natas fresco, e um atendimento impecável! Tome por lá seu café da manhã, ouvindo as notícias, comendo pastel de natas e tomando uma media leite (xícara de café com leite).



3. Manteigaria - bem em frente à Praça Camões, a pequena porta é uma fábrica incessante de pastéis de nata. As Senhoras de uniforme branco não param um minuto de vender estas delícias, enquanto os homens os fabricam, logo atrás do vidro. Não há lugar para se sentar. Não se assuste, ela está sempre cheia, mas vale a pena a visita!




 4. Fábrica da Nata - A cafeteria possui um espaço lindíssimo, e permite que se visualize a confecção dos pastéis de nata. Vale muito a pena conhecer. Além do pastel, há diversos salgados, doces, cafés e sucos (sumos).




Conhece algum destes? Tem alguma outra dica? Conte-nos!!

Aproveite a sua viagem!!